10 Filmes Para Conhecer Kenji Mizoguchi



Por Philippe Leão

Facebook: www.facebook.com/cineplot
YouTube: www.youtube.com/cineplotoficial

Um dos mestres da tríade sagrada do Cinema Japonês – junto à Akira Kurosawa e Yasujiro Ozu – Kenji Mizoguchi marca por um Cinema que relembra grandes tragédias sob uma perspectiva nipônica. Confira alguns filmes para conhecer a obra do diretor!

 

Conheça nosso Canal no YouTube:

 

Filmes Para Conhecer Kenji Mizoguchi

 

CONTOS DA LUA VAGA

Direção: Kenji Mizoguchi
País: Japão
Ano: 1953
Nome Original: Ugetsu Monogatari

Durante a guerra civil japonesa, no século 16, o pobre oleiro Genjuro e seu cunhado Tobei viajam com as respectivas mulheres à capital da província onde vivem, nas redondezas do lago Biwa, para vender utensílios de cerâmica. Com as vendas, Tobei compra armas e se torna samurai, abandonando a esposa. Genjuro, por sua vez, acaba passando vários dias no castelo da misteriosa Lady Wakasa, quando vai entregar as mercadorias.

 

OHARU, VIDA DE CORTESÃ

Direção: Kenji Mizoguchi
País: Japão
Ano: 1952
Nome Original: Saikaku Ichidai Onna

Baseado em romance de Saikaku Ihara, o filme conta a história da vida de Oharu, uma mulher que na juventude fazia parte da corte do imperador e que em virtude de um relacionamento acaba como pedinte e cortesã, já senhora.

 

SENHORITA OYU

Direção: Kenji Mizoguchi
País: Japão
Ano: 1951
Nome Original: Oyû-Sama

Shinnosuke é apresentado à Shizu como noivo, mas ele se apaixona pelo sua irmã viúva dela, Oyu. A tradição proibe que Oyu se case novamente porque ela tem que criar seu filho para ser o chefe da família do falecido marido. Oyu convence Shizu a se casar com Shinnosuke para que possa ficar perto do homem que ama.

 

AS IRMÃS DE GION

Direção: Kenji Mizoguchi
País: Japão
Ano: 1936
Nome Original: Gion no shimai

Umekichi, uma geixa de Gion, sente-se na obrigação de ajudar Furusawa, seu amante, quando ele vai à falência e abandona a esposa. Omocha, sua irmã mais nova, é contra essa atitude e tenta vários esquemas para libertar Umekichi de Furusawa e para encontrar melhores amantes para ambas.

 

O INTENDENTE SANSHO

Direção: Kenji Mizoguchi
País: Japão
Ano: 1954
Nome Original: Sanshô Dayû

Tamaki viaja com Zushio e Anju, seu casal de filhos. No caminho, ela é enganada e é levada para a ilha Sado, e vê seus filhos serem vendidos como escravos. Dez anos depois, Zushio e Anju sabem da história de uma mulher em Sado famosa por cantar uma triste canção por eles. Os irmãos então fazem de tudo para reencontrar sua mãe.

 

CRISÂNTEMOS TARDIOS

Direção: Kenji Mizoguchi
País: Japão
Ano: 1939
Nome Original: Zangiku Monogatari

O filho adotivo de um ator renomado descobre que só é elogiado nos palcos e poupado das críticas negativas por ser o herdeiro do seu pai, e que seus colegas o menosprezam pelas costas. Somente uma empregada da familia é honesta com ele e tem coragem de lhe dizer a verdade, ainda assim incentivando-o para que continue na profissão.

 

MÚSICA DE GION

Direção: Kenji Mizoguchi
País: Japão
Ano: 1953
Nome Original: Gion Bayashi

No período pós-guerra, no distrito de Gion, em Kyoto, a geisha Miyoharu aceita a jovem Eiko, de apenas 16 anos, como aprendiz.

Depois de um ano de treinamento, é necessária uma grande quantia de dinheiro para a iniciação de Eiko. Miyoharu pega dinheiro emprestado com a dona da casa de chá, Okimi, que por sua vez consegue o dinheiro através do empresário Kusuda.

Kusuda finacia Eiko e tenta dar Miyoharu à outro homem, Kanzaki, para fechar um grande negócio. No entanto, as duas geishas possuem ideias fortes e, indo contra às tradições, querem negar o pedido dos clientes.

 

OS AMANTES CRUCIFICADOS

Direção: Kenji Mizoguchi
País: Japão
Ano: 1954
Nome Original: Chikamatsu Monogatari

Kyoto, final do século XVII. Ishun, um senhor abastado e com direito ao uso de espada, é casado com a jovem Osan, frustrada e insatisfeita. Mohei, empregado de Ishun, utiliza indevidamente a assinatura do patrão a pedido de Osan, mas acaba descoberto e é preso. Tem início um amor impossível, onde Osan escolhe o amor com risco de vida e assume as implicações.

 

A IMPERATRIZ YANG KWEI-FEI

Direção: Kenji Mizoguchi
País: Japão
Ano: 1955
Nome Original: Yokihi

O filme se passa há muitos séculos e é baseado na lenda chinesa Yokihi. No século VIII T’ang da China, o Imperador viúvo Hsüan-tsung (Masayuki Mori) reina sozinho, dedica sua vida à música e vive de luto por conta da morte da última Imperatriz. Até que ele conhece uma bela garota chamada Yang Yu-huan (Machiko Kyo). Ele se apaixona por Yang Yu-huan e ela torna-se sua consorte, a Imperatriz Yang Kwei-fei. Yokihi é um filme de amor, sobre um shakespeariano fundo de lutas de poder e intrigas políticas com consequências trágicas.

 

A RUA DA VERGONHA

Direção: Kenji Mizoguchi
País: Japão
Ano: 1956
Nome Original: Akasen Chitai

A história passa-se num bordel e relata o quotidiano das suas trabalhadoras enquanto o Japão discute a ilegalizaçao da prostituição no pós 2º Guerra. Mizoguchi vai desvendando pouco a pouco as razões que levaram aquelas mulheres àquela opção de vida ao mesmo tempo que aproveita para contextualizar a importância que a prostituição ainda tinha na cultura japonesa. O filme não perde tempo para definir cada personagem e a escolher uma que tenha um papel principal, preferindo, no entanto, optar por se debruçar um pouco sobre os vários dramas pessoais e permitir assim ao espectador formar a sua própria ideia de como seria a vida de uma prostituta no final dos anos quarenta no Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *