Mostra de Cinema de Tiradentes | Segundo Dia

Por Catarina Almeida

 

Diretamente da 21ª  Mostra de Cinema de Tiradentes, o Cineplot este ano irá apresentar drops dos destaques exibidos no evento que abre o calendário oficial dos festivais de cinema nacionais.

Na Mostra Foco Minas, o grande destaque exibido no segundo dia de festival, foi o curta “Nada”, de Gabriel Martins, filme este que recentemente esteve em Cannes competindo na Quinzena dos Realizadores.

A Mc Clara Lima, interpreta Bia, uma jovem com seus recéns completados 18 anos que gosta de ouvir e improvisar canções de rap, porém, existe a pressão social dentro da escola para a construção de um ‘futuro exemplar’, simbolizado no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). A partir desse ponto adverso, “Nada” caminha para uma intensa apresentação de reflexões dos personagens adultos e jovens, mostrando um cinema sensível e focado no realismo das emoções pessoais que uma jovem negra com desejos incompatíveis com o da massa, sofre, porém, a busca por uma mudança e realização do que a personagem acredita, encaminha o interesse da obra para um verdadeiro estudo humano.

Indo para a Mostra Panorama em sua primeira sessão, o grande destaque fica para o curta paulista, “Vaca Profana”, de René Guerra. Filmado todo dentro uma ocupação, a ficção beira em alguns momentos a pinceladas de documentário, ao mostrar moradores encenando suas próprias vidas enquanto filmadas.

René, que já trabalhou diversas vezes com travestis, apresenta em “Vaca Profana” uma saga que converge entre o realismo e o surreal, o cotidiano de uma travesti (Roberta Gretchen Coppola) que encontra-se perto de realizar seu grande sonho, o de ser mãe. Roberta e Maeve Jinkings dividem magistralmente suas personagens repletas de camadas, pontuando principalmente entre as trocas de olhares entre as duas, resultando em momentos silenciosos em que apesar de nenhuma palavra ser dita, a entrega e carga emocional é tanta, que bastam-se os olhos falarem por eles mesmos.

Destaque também para os curtas da mesma mostra, “Pontos Corridos”, de Júlio Bezerra, comédia com diversas referências de memes e intervenções gráficas visuais. E o filme de denúncia a milícia goiana, “Intervenção” de Isaac Brum Souza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *