15 Filmes Inspirados em Emile Durkheim e os Fatos Sociais

Por Philippe Leão

Twitter: @Cineplotoficial
Instagram: @Cineplotoficial
Facebook: www.facebook.com/cineplot

É importante, mesmo que já esteja implícito, que se diga: Os realizadores dos filmes não necessariamente leram o autor em questão, mas neles é possível perceber seus pensamentos.

Émile Durkheim foi um pensador influenciado por uma corrente positivista e, para muitos, foi o responsável por consolidar a Sociologia como ciência. Para isso o autor adota uma posição objetiva na análise social. O sociólogo, para Durkheim, deve estudar seu objeto de maneira imparcial, desprendido de qualquer subjetividade. O método permitiria que o cientista social se desvinculasse de crenças e transformaria seus objetos de estudo em coisa, assim como nas ciências naturais.

A partir dessa coisificação surgem os fatos sociais, partilhando de algumas características que os identificam como tais:

Os fatos sociais são exteriores, ou seja, se manifesta fora do indivíduo, não dependentdo deste para sua existência. São coercitivos a medida que exercem influência sob os indivíduos. Essa influência pode se dar de forma moral, de maneira não reflexiva ou legal, através da lei. E por último os Fatos Sociais são gerais, se aplicam a todos os indivíduos de determinada sociedade.

Dessa forma, a educação apresenta aos indivíduos os fatos. O papel do intermediário (família, Estado, professor…) seria a formação social, transformando os indivíduos em seres sociais.

Durkheim falará também da solidariedade de diferentes sociedades. Assim o autor nos trará dois modelos:

A solidariedade mecânica está presente naquelas sociedades consideradas pelo autor como primitivas. Neste modelo não se manifestam grandes distinções sociais, havendo maior compartilhamento de valores e crenças. Estas sociedades apresentam pouca diversidade que lhes garantem maior coesão e maior consciência coletiva. O partilhamento de crenças e valores rígidos lhes garantem um sentimento de pertencimento.

Provindo de sociedades modernas, em especial capitalista, a solidariedade orgânica garantiria maior diversidade e, assim, individualidades. Nessas sociedades em que as individualidades se apresentam com mais força, a consciência social partirá da percepção da individualidade do próximo.

Alguns objetos, quando coisificados, são considerados fatos sociais. Racismo, desemprego, família, idioma, religião, pobreza, aborto e suicídio são alguns deles. Vamos a lista de filmes!

Antes da lista, confira nosso canal no YouTube!

 

Filmes Inspirados em Emile Durkheim e os Fatos Sociais

Umberto D

Direção: Vittorio de Sica
País: Itália
Ano: 1952
Nome Original: Umberto D.

Na Itália do início dos anos 1950, enquanto a economia do país renasce, os idosos sofrem com as miseráveis pensões dadas pelo governo. Em Roma, Umberto Domenico Ferrari, um funcionário público aposentado, é despejado por não conseguir pagar o aluguel de seu quarto. Na companhia de seu único amigo, o cachorrinho Flik, Umberto vaga pelas ruas, buscando apenas um objetivo: viver com dignidade.

 

Dez

Direção: Abbas Kiarostami
País: Irã
Ano: 2002
Nome Original: Dah

Dez sequênicas na vida emocional de 6 mulheres e os desafios com que elas se deparam num momento particular de suas vidas. Dez episódios que se passam em dias diferentes, mas sempre no carro de uma jovem mulher. Divorciada e recém-casada com outro homem, ela tem um filho do primeiro casamento que, no entanto, não cansa de culpá-la por não agir dentro do código moral do Irã. Além de seu filho ela dá carona a várias mulheres, uma prostituta, uma jovem apaixonada e uma senhora, criando um retrato da feminialidade no Irã.

Ladrões de Bicicletas

Direção: Vittorio de Sica
País: Itália
Ano: 1948
Nome Original: Ladri di Biciclette

Confira a crítica de Ladrões de Bicicletas!

A história se passa logo após a Segunda Grande Guerra, com a Itália destruída e o povo passando necessidade. Ricci consegue um emprego após muita espera. Só que esse emprego, de colador cartazes na rua, lhe pedia como obrigação uma bicicleta. Ricci e sua mulher Maria conseguem um dinheiro para uma, possibilitando que ele realize o seu trabalho. Há também o menino Bruno, filho do casal. Fascinado por bicicletas, o menino cai de cabeça com o pai na busca pela bicicleta que lhes foi roubada, quando Ricci trabalhava apenas em seu primeiro dia.

Barravento

Direção: Glauber Rocha
País: Brasil
Ano: 1962
Nome Original: Barravento

Numa aldeia de pescadores de xeréu, cujos antepassados vieram da África como escravos, permanecem antigos cultos místicos ligados ao candomblé. Firmino (Antônio Pitanga) é um antigo morador, que foi para Salvador na tentativa de escapar da pobreza. Ao retornar ele sente atração por Cota (Luíza Maranhão), ao mesmo tempo em que não consegue esquecer sua antiga paixão, Naína (Lucy Carvalho), que, por sua vez, gosta de Aruã (Aldo Teixeira). Firmino encomenda um despacho contra Aruã, que não é atingido. O alvo termina sendo a própria aldeia, que passa a ser impedida de pescar.

A Canção da Estrada

Direção: Satyajit Ray
País: Índia
Ano: 1955
Nome Original: Pather Panchali

No início do século 20, Abul é um menino pertencente a uma pobre família brâmane de um vilarejo na Índia. Seu pai, poeta e sacerdote, é forçado a deixar seus entes queridos em busca de trabalho. Uma das obras-prima do cinema mundial, inédita no Brasil e nas Américas. Este filme foi a estréia espetacular de Satyati Ray. Recuperada a finais dos anos 90, pois um incêndio destruiu os negativos originais, esta é a primeira fita, que deu origem a Trilogia de Apu. Nela se narra a comovente história de uma família de Bengali perseguida pela má sorte. O pai, Harihara, é um sacerdote mundano, curandeiro, sonhador e poeta. Sabajaya, a mãe trabalha para alimentar a uma família, que recebe com alegria e esperança a chegada de um novo filho, Apu.

Alemanha Ano Zero

Direção: Roberto Rosselini
País: Itália
Ano: 1948
Nome Original: Germania, Anno Zero

Em Berlim, após o final da 2ª Guerra Mundial, Edmund (Edmund Moeschke), um garoto de uma família muito pobre, trabalha para sustentar o pai doente, sua pequena irmã e o irmão, que não tem documentos. Um dia, ao conversar com um antigo mestre (Erich Gühne), fala do seu pai enfermo e entende ter recebido um conselho para matar seu pai, um peso morto. Ele começa a pensar na idéia.

Manderlay

Direção: Lars Von Trier
País: Dinamarca
Ano: 2005
Nome Original: Manderlay

Após deixarem para trás a cidade de Dogville, Grace (Bryce Dallas Howard) e o pai (Willem Dafoe) acabam por acaso nos portões da fazenda de Manderlay, no sul dos Estados Unidos. Lá Grace descobre uma estrutura escravagista em pleno funcionamento, apesar de estarmos em 1933, quando já fora abolida a escravatura. Ela se envolve então nas relações entre os empregados negros e seus patrões, apenas para descobrir que os laços que regem estas relações são bem mais complexos do que ela pensava.

Elena

Direção: Petra Costa
País: Brasil
Ano: 2012
Nome Original: Elena

Elena viaja para Nova York com o mesmo sonho da mãe: ser atriz de cinema. Deixa para trás uma infância passada na clandestinidade dos anos de ditadura militar. Deixa Petra, a irmã de sete anos. Duas décadas mais tarde, Petra também se torna atriz e embarca para Nova York em busca de Elena. Tem apenas pistas. Filmes caseiros, recortes de jornal, um diário. Cartas. A todo momento Petra espera encontrar Elena caminhando pelas ruas com uma blusa de seda. Pega o trem que Elena pegou, bate na porta de seus amigos, percorre seus caminhos. E acaba descobrindo Elena em um lugar inesperado. Aos poucos, os traços das duas irmãs se confundem, já não se sabe quem é uma, quem é a outra. A mãe pressente. Petra decifra. Agora que finalmente encontrou Elena, Petra precisa deixá-la partir.

4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias

Direção: Cristian Mungiu
País: Alemanha; Turquia
Ano: 2007
Nome Original: 4 Luni, 3 Saptamâni Si 2 Zile

Em 1987, nos últimos dias do comunismo, Otilia (Anamaria Marinca) e Gabita (Laura Vasiliu) dividem um quarto num dormitório estudantil. Elas são colegas de classe na universidade de uma pequena cidade romena. Gabita está grávida e o aborto é ilegal no país. Otilia aluga um quarto num hotel barato. Lá elas recebem um certo Sr. Bebe (Vlad Ivanov), chamado para resolver a questão. Mas, ao saber que Gabita está com a gravidez mais adiantada do que havia informado, Sr. Bebe aumenta as exigências para o serviço. Ele cobra um preço que as duas não estão preparadas para pagar.

Não Matarás

Direção: Krzysztof Kieślowski
País: Polônia
Ano: 1988
Nome Original: Krótki Film o Zabijaniu

Neste belo e perturbador filme, o diretor Kielowski analisa a Polônia moderna com seus princípios socialistas. Utilizando uma quantidade mínima de diálogos, o cineasta se concentra no poder da imagem e das cores.Quando um jovem polonês desempregado, obcecado pela violência, mata friamente um motorista de taxi, um advogado recém-formado é designado para defendê-lo. Kieslowski demonstra através dos três protagonistas a anatomia de um crime e os meandros da justiça de um Estado totalitário.

Os Incompreendidos

Direção: François Truffaut
País: França
Ano: 1959
Nome Original: Les Quatre Cents Coups

Os Incompreendidos (Les quatre cents coups) é um filme francês de 1959, do gênero drama, dirigido por François Truffaut. O filme narra a história do jovem parisiense Antoine Doinel, um garoto de 14 anos que se rebela contra o autoritarismo na escola e o desprezo dos pais Gilberte e Julien Doinel. Rejeitado, Doinel passa a faltar as aulas para freqüentar cinemas ou brincar com os amigos, principalmente René. Com o passar do tempo, as censuras o direcionarão, vivenciará descobertas e cometerá delitos em busca de atenção.

Era uma Vez em Tóquio

Direção: Yasujiro Ozu
País: Japão
Ano: 1953
Nome Original: Tôkyô monogatari

Casal de idosos viaja a Tóquio, onde pretende visitar os filhos que há anos não vêem. Porém, todos são muito atarefados e não têm tempo para dar-lhes atenção.

Conheça mais sobre Yasujiro Ozu em nosso canal!

 

Metropolis

Direção: Fritz Lang
País: Alemanha
Ano: 1927
Nome Original: Metropolis

O ano é 2026, a população mundial se divide em duas classes: a elite dominante e a classe operaria; esta condenada desde a infância a habitar os subsolos, escravos das monstruosas máquinas que controlam a metrópolis. Quando o filho do criador de Metrópolis se apaixona por Maria, a líder dos operários, tem inicio a mais simbólica luta de classe já registrada pelo cinema.

Confira a análise em vídeo!

Harakiri

Direção: Masaki Kobayashi
País: Japão
Ano: 1962
Nome Original: Seppuku

Por meio de flashbacks, o filme narra a trágica história de um samurai forçado a vender sua espada real para sustentar sua esposa doente e seu filho. É incitado à vingança quando descobre que seu genro cometeu harakiri – forma honrosa para um samurai cometer suicídio – com uma espada de bambu também por falta de dinheiro.

O Pagador de Promessas

Direção: Anselmo Duarte
País: Brasil
Ano: 1962
Nome Original: O Pagador de Promessas

Zé do Burro (Leonardo Villar) e sua mulher Rosa (Glória Menezes) vivem em uma pequena propriedade a 42 quilômetros de Salvador. Um dia, o burro de estimação de Zé é atingido por um raio e ele acaba indo a um terreiro de candomblé, onde faz uma promessa a Santa Bárbara para salvar o animal. Com o restabelecimento do bicho, Zé põe-se a cumprir a promessa e doa metade de seu sítio, para depois começar uma caminhada rumo a Salvador, carregando nas costas uma imensa cruz de madeira. Mas a via crucis de Zé ainda se torna mais angustiante ao ver sua mulher se engraçar com o cafetão(Geraldo Del Rey) e ao encontrar a resistência ferrenha do padre Olavo (Dionísio Azevedo) a negar-lhe a entrada em sua igreja, pela razão de Zé haver feito sua promessa em um terreiro de macumba.

Um comentário em “15 Filmes Inspirados em Emile Durkheim e os Fatos Sociais

  • 2 de janeiro de 2018 em 20:18
    Permalink

    Olá gostaria de saber como assistir esses filmes maravilhosos?

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *