12 Filmes sob Forma de Alegoria Filosófica

Por Philippe Leão

Twitter: @Cineplotoficial
Instagram: @Cineplotoficial
Facebook: www.facebook.com/cineplot

As alegorias são um modo de expressão ou narrativos que buscam representar pensamentos e ideias em um sentido figurado. As alegorias filosóficas, portanto, fazem o mesmo para que, em suas narrativas, seja possível observar pensamentos filosóficos de seus autores. Confira!

 

Filmes sob Forma de Alegoria Filosófica

 

 

A Montanha Sagrada

A Montanha Sagrada

Direção: Alejandro Jodorovski
País: México; Chile
Ano: 1973
Nome original: The Holy Mountain

Jodorowsky interpreta o papel do “alquimista”, que reúne um grupo de pessoas que representam os planetas do Sistema Solar. Sua intenção é submeter o grupo a uma série de ritos de natureza mística para que se desprendam da bagagem “mundana”, antes de embarcar numa viagem em direção à misteriosa Ilha de Loto. Uma vez na ínsula, iniciam a ascensão à Montanha Sagrada, para substituir os Deuses imortais que em segredo dominam o mundo.

 

O Espelho

O Espelho

Direção: Andrei Tarkovski
País: Rússia
Ano: 1975
Nome original: Zerkalo

Um homem em seus últimos dias de vida relembra o passado. Entre as memórias pessoais da infância e adolescência, da mãe, da Segunda Guerra Mundial e de um doloroso divórcio, estão também momentos que contam a história da Rússia numa mistura de flashbacks, tomadas históricas e poesia original.

 

Primavera, Verão, Outono, Inverno e Primavera

Primavera

Direção: Kim Ki Duk
País: Coreia do Sul
Ano: 2003
Nome original: Bom Yeoreum Gaeul Gyeoul Geurigo Bom

Ninguém é indiferente ao poder das quatro estações e de seu ciclo anual de nascimento, crescimento e declínio. Nem mesmo os dois monges que compartilham a solidão, em um lago rodeado por montanhas. Assim como as estações, cada aspecto de suas vidas é introduzido com uma intensidade que conduz ambos a uma grande espiritualidade e a tragédia. Eles também estão impossibilitados de escapar da roda da vida, dos desejos, sofrimentos e paixões que cercam cada um de nós. Sobre os olhos atentos do velho monge vemos a experiência da perda da inocência do jovem monge, o despertar para o amor quando uma mulher entra em sua vida, o poder letal do ciúme e da obsessão, o preço do perdão, o esclarecimento das experiências. Assim como as estações vão continuar mudando até o final dos tempos, na indecisão entre o agora e o eterno, a solidão será sempre uma casa para o espírito.

 

A Deusa

A Deusa

Direção: Satyajit Ray
País: India
Ano: 1960
Nome original: Devi

“Devi” trata de uma mulher jovem que é considerada uma deusa quando seu sogro, um rico proprietário feudal, vislumbra-la como a deusa Kali.

 

Simão de Deserto

Simão do Deserto

Direção: Luis Buñuel
País: México
Ano: 1965
Nome original: Simón del Desierto

O roteiro deste filme baseia-se na história de Simão Stilites que, dizem, viveu 37 anos no topo de uma coluna pregando a cristandade, até sua morte em 459 A.C..
Luiz Buñuel usa a história para um ataque divertido e cínico contra a religião e o fanatismo. Assim, o personagem central do filme, Simão, é um fanático religioso que passa sua vida no alto de sua coluna, no meio do deserto, rezando, pregando pela salvação, abençoando os peregrinos e ditando regras de conduta. O demônio, disfarçado, tenta seduzi-lo o tempo todo…

AJUDE O CINEPLOT!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *