12 Filmes sob Forma de Alegoria Filosófica

Por Philippe Leão

Twitter: @Cineplotoficial
Instagram: @Cineplotoficial
Facebook: www.facebook.com/cineplot

As alegorias são um modo de expressão ou narrativos que buscam representar pensamentos e ideias em um sentido figurado. As alegorias filosóficas, portanto, fazem o mesmo para que, em suas narrativas, seja possível observar pensamentos filosóficos de seus autores. Confira!

 

Filmes sob Forma de Alegoria Filosófica

 

 

2001: Uma Odisseia no Espaço

2001

Direção: Stanley Kubrick
País: Reino Unido
Ano: 1968
Nome original: 2001: A Space Odissey

2001

Desde a “Aurora do Homem” (a pré-história), um misterioso monólito negro parece emitir sinais de outra civilização interferindo no nosso planeta. Quatro milhões de anos depois, no século XXI, uma equipe de astronautas liderados pelo experiente David Bowman (Keir Dullea) e Frank Poole (Gary Lockwood) é enviada a Júpiter para investigar o enigmático monólito na nave Discovery, totalmente controlada pelo computador HAL 9000.

 

Dodeskaden

Dodeskaden

Direção: Akira Kurosawa
País: Japão
Ano: 1970
Nome original: Dodes’ka-den

Por sua luz e suas imagens, este, que é o primeiro filme em cores de Korusawa, foi comparado à pintura de Mondrian e do primeiro Kandinski. Uma comovente crônica sobre o cotidiano de uma favela de Tóquio, com episódios e personagens que se entrelaçam. Entre eles, o menino que mendiga, nos fundos de um restaurante, o alimento para ele e seu pai juntos visualizam a casa de seus sonhos, a tímida jovem que faz flores artificiais para sustentar o padrasto alcoólatra, o “maquinista” de um imaginário trem, que imita o som(Dodes’ka- Den…Dodes’ka- Den…) das rodas sobre os trilhos. Tudo à margem da metrópole, que mesmo invisível, sufoca essas vidas excluídas.

 

A Cor da Romã

A Cor da Romã

Direção: Sergei Parajanov
País: Rússia
Ano: 1968
Nome original: Sayat Nova

Biografia estilizada do poeta e trovador Sayat Nova do século 18. Descreve a vida do poeta em oito seções, da infância à morte, rica em seus simbolismos sacros e seculares.

Continue na próxima página!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *