16 Filmes para Conhecer o Cinema Iraniano

Por Philippe Leão

Twitter: @Cineplotoficial
Instagram: @Cineplotoficial
Facebook: www.facebook.com/cineplot

O Cinema Iraniano alçou um lugar de destaque na história do cinema contemporâneo. Marcado por grandes diretores – Abbas Kiarostami, Dariush Mehrjui, Jafar Panahi, Mohsen Makhmalbaf, Asghar Farhadi e outros – os artistas tem grande dificuldade de expressar sua arte, sempre bastante existencialista e, vez ou outra, de acusação, dentro de seu país. Contudo, a internacionalização através dos grandes festivais é uma crescente. Confira alguns filmes que você precisa conhecer!

 

16 Filmes para Conhecer o Cinema Iraniano

 

Close Up

Direção: Abbas Kiarostami
Nome Original: Nema-ye Nazdik

Jovem cinéfilo apaixonado pelo trabalho do diretor iraniano Mohsen Makhmalbaf acaba preso ao se fazer passar pelo famoso diretor e vai a julgamento, acusado por uma família rica de falsidade ideológica, roubo e extorsão.

 

A Casa é Escura

Direção: Forugh Farrokhzad
Nome Original: Khaneh Siah Ast

Documentário sobre uma colônia de leprosos situada no norte do Irã.

 

A Vaca

Direção: Dariush Mehrjui
Nome Original: Gaav

Baseado em peça de Gholam-Hossein Saedi, que também contribuiu no roteiro. A Vaca é a história de Masht Hassan, orgulhoso proprietário da única vaca existente em uma aldeia pobre. Um dia, quando ele viaja a negócios, a vaca morre inesperadamente. Ao invéz de contar a verdade, os outros aldeões decidem dizer que o animal simplesmente se perdeu. Com tanto de sua identidade e de seu status relacionados à vaca, Hassan fica cada vez mais obcecado com a busca, ao ponto de enlouquecer. Financiado grande parte pelo governo do Xá, as imagens do filme do interior do Irã e da pobreza deixaram tão ultrajados os produtores que eles obrigaram os cineastas a colocar uma observação de que os eventos retratados haviam ocorridos muito antes do atual regime.

 

Tartarugas Podem Voar

Direção: Bahman Ghobadi
Nome Original: Lakposhtha Parvaz Mikonand

Em uma vila de curdos no Iraque, na fronteira entre o Irã e a Turquia e pouco antes do ataque americano contra o país, os moradores locais buscam desesperadamente uma antena parabólica, na intenção de ter notícias via satélite.

 

Vida e Nada ou E a Vida Continua

Direção: Abbas Kiarostami
Nome Original: Zendegi va digar hich

Kiarostami volta a Koker para registrar as conseqüências de um terremoto que dizimou parte da população. O filme trata de um diretor de cinema (alter-ego do próprio Abbas) retornando ao local das filmagens de “Onde Fica a Casa do Meu Amigo?” para descobrir se o garoto protagonista sobreviveu à tragédia. Acompanhamos todo o trajeto do personagem em busca do menino, perguntando aqui e ali, ouvindo histórias, tomando água, cuidando do filho, tentando subir morros íngremes com o carro.

 

O Círculo

Direção: Jafar Panahi
Nome Original: Dayereh

Três mulheres acabam de receber indultos temporários para deixar a prisão. As perspectivas, porém, são as piores. Mesmo em liberdade elas se sentem em uma grande prisão, com os direitos reduzidos e cerceados pelos homens.

 

Filhos do Paraíso

Direção: Majid Majidi
Nome Original: Bacheha-Ye Aseman

Ali é um menino de 9 anos proveniente de uma família humilde e que vive com seus pais e sua irmã, Zahra. Um dia ele perde o único par de sapatos da irmã e, tentando evitar a bronca dos pais, passa a dividir seu próprio par de sapatos com ela, com ambos revezando-o. Enquanto isso, Ali treina para obter uma boa colocação em uma corrida que será realizada, pois precisa da quantia dada como prêmio para comprar um novo par de sapatos para a irmã.

 

Um Instante de Inocência

Direção: Mohsen Makhmalbaf
Nome Original: Nun va Goldoon

Em Teerã, um ex-policial de seus 40 anos procura o cineasta Mohsen Makhmalbaf. Vem cobrar o cumprimento de uma antiga promessa. Dois anos antes, o diretor lhe prometeu um papel em seu próximo filme. Na verdade, o primeiro contato entre os dois homens deu-se muito antes, 20 anos atrás, em circunstâncias bem dramáticas. Era o governo do Xá Rheza Pahlevi. Mohsen, então com 17 anos, era um dissidente. Numa manifestação, apunhalou o policial, tentando tomar-lhe o revólver. Este defendeu-se atirando em Mohsen, que acabou preso e torturado. A Revolução Islâmica do aiatolá Khomeini muda todo o quadro político. Quinze anos depois do incidente, o mesmo policial, agora fora da força, candidatou-se a um papel em Salve o Cinema. Mas só dois anos depois é que isto acabou acontecendo. Então, o cineasta decide filmar o confronto entre os dois, desta vez usando atores. Não há vilões, nem heróis: só a tentativa de compreender dois pontos de vista opostos numa situação-limite.

 

Onde Fica a Casa do Meu Amigo

Direção: Abbas Kiarostami
Nome Original: Khane-ye doust kodjast?

O garoto Ahmad, ao fazer seu dever de casa, percebe que pegou o caderno de seu amigo por engano. Sabendo que o professor exige que as tarefas sejam feitas no caderno, escapa das vistas de sua mãe e parte em busca do colega. Ele vai até uma vila nos arredores com o intuito de encontrá-lo para devolver o caderno.

 

O Balão Branco

Direção: Jafar Panahi
Nome Original: Badkonake Sefid

Vencedor da Camera D’Or, no Festival de Cannes 95, essa história foi desenvolvida pelo diretor iraniano Abbas Kiarostami como um presente para Jafar Panahi, que trabalhou como seu assistente de direção em Através das Oliveiras. Um dia, Panahi explicou ao diretor que queria fazer um curta, contando a ele o que tinha em mente. Kiarostami se entusiasmou e o incentivou a realizar um longa, prometendo fazer o roteiro do filme.

Repleto de magia e fantasia, o filme começa em 21 de março, Ano Novo no Irã, quando uma menina, Razieh, sonha comprar um peixe dourado para as comemorações da data, repetindo uma antiga tradição do país. Com a ajuda do irmão, ela convence a mãe a dar seus últimos tostões para a compra do peixe.

Em seu caminho para o mercado, a menina perde o dinheiro. Isso, no entanto, não é motivo para que ela desista de seu sonho. Ela sai à procura do dinheiro, vivenciando encontros inesperados e a solidariedade de estranhos personagens.

 

Tempo de Cavalos Bêbados

Direção: Bahman Ghobadi
Nome Original: Zamani Barayé Masti Asbha

Em uma remota vila curda na fronteira entre o Iraque e o Irã vivem cinco crianças órfãs de mãe, responsabilizadas pela perda da mula de um contrabandista. Ayoub (Ayoub Ahmadi) e sua jovem irmã Ameneh (Amaneh Ekhtiar-dini) trabalham em um bazar, a fim de juntarem dinheiro para pagar a mula perdida, ao mesmo tempo que precisam cuidar de Madi, o irmão caçula, que sofre de uma grave doença. Quando o pai deles morre, Ayoub precisa cuidar da família, apesar de sua idade. Ele então se une aos contrabandistas, carregando pesadas cargas pelas montanhas até o Iraque e enfrentando a constante ameaça das minas e emboscadas. Mas quando a saúde de Madi piora, a única solução é uma operação no Iraque, a qual Ayoub não tem condições de pagar. Uma possível solução surge quando a irmã mais velha das crianças, Rojin (Rojin Younessi) arruma um casamento arranjado no Iraque, com seu futuro marido se comprometendo a pagar a operação de seu irmão.

 

Gosto de Cereja

Direção: Abbas Kiarostami
Nome Original: Ta’m e Guilass

Acompanhamos o Sr. Badii, que viaja de carro pelos campos de Teerã. Ele está procurando um trabalhador, alguém que esteja disposto a ajudá-lo num plano que reflete toda a sua amargura e solidão.

 

A Separação

Direção: Asghar Farhadi
Nome Original: Jodaeiye Nader az Simin

Simin e seu marido Nader, estão se preparando para deixar o Irã, com a filha Termeh. Mas Nader, preocupado com seu pai, que sofre de Alzheimer, acaba desistindo da viagem. Decepcionada, Simin, entra com pedido de divórcio, que é negado pela vara de família. Ainda assim, ela decide sair de casa, deixando Termeh, para trás. Sem conseguir lidar com todas essas mudanças, Nader, contrata a jovem Razieh, para cuidar de seu pai doente. Grávida, a moça está trabalhando escondida do marido.

 

Gabbeh

Direção: Mohsen Makhmalbaf
Nome Original: Gabbeh

Produção iraniana sobre um casal idoso que segue sua rotina de limpar o gabbeh, um tapete com um desenho intrincado. Magicamente, uma jovem aparece e passa a ajudar os dois. Ela pertence ao clã cuja história é narrada nas imagens do tapete, especialmente o romance que envolveu a tal jovem e um estranho do clã.

 

Através das Oliveiras

Direção: Abbas Kiarostami
Nome Original: Zire Darakhatan Zeyton

Uma equipe de cinema chega a uma pequena cidade no norte do Irã, devastada por um tremor de terra, para realizar um filme. Hossein (Hossein Rezai) é contratado para ser o protagonista. Por acaso, a atriz que contracena com ele é Tahere (Tahere Ladanian), uma jovem por quem ele está apaixonado, mas que a família tinha recusado para o casamento. Enquanto ele diz todas as suas falas, Tahere permanece calada. O diretor descobre o amor platônico que Hossein sente por Tahere. Após algumas pressões, Tahereh aceita atuar normalmente e começa a cumprir seu trabalho. Mas não é fácil, ao menos para Farhad – na história que está sendo filmada, eles são recém-casados. Nos intervalos entre os takes, ele tenta de todas as maneiras obter uma resposta de sua amada. Entretanto, ela não parece muito interessada em responder.

 

A Maça

Direção: Samira Makhmalbaf
Nome Original: Sib

Mulher cega e seu marido matêm as filhas gêmeas presas, seguindo vagos preceitos do Alcorão. As meninas são soltas, após 11 anos em cativeiro, e têm que descobrir o mundo com olhos infantis que nunca conheceram nada além de sua alcova. Filme de estréia da diretora iraniana Samira Makhmalbaf.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *