Crítica: Você e os Seus

Por Philippe Leão

 

Filme: Você e os Seus

Direção: Hong Sang-soo

Coréia do Sul – 2016

Elenco: Kim Ju-Hyuck; You-young Lee

World Title: Yourself and Yours

Você e os Seus

voce-e-os-seusO diretor sul coreano Hong Sang-soo está com o gás todo. Depois do sucesso de seus dois últimos filmes – A Montanha da Liberdade e Certo Agora, Errado Antes – o realizador assina mais uma grande obra, exibida no Festival do Rio de 2016. Você e os Seus.

Os maneirismos permanecem. Aos já iniciados no cinema de Sang Soo (A Visitante Francesa) é natural identificar um de seus filmes: Os zoom’s abruptos que distinguem os personagens da ação, fazendo com que percebamos o que buscam ou sentem; Os planos longos de diálogos aparentemente inúteis que não levariam a lugar algum marcam presença e cria como de costume, um ambiente familiar, natural, construindo um humor bastante peculiar.

Hong Sang-soo começa a história nos apresentando uma fofoca. A mulher, vivida por You-young Lee aparentemente sofre com problemas de alcoolismo e teria tido um encontro com outro homem, com quem teve uma briga no bar. O namorado (Kim Ju-Hyuck), ao ouvir a fofoca, vai tirar satisfação com a moça e brigam, separando-se. A partir desse momento o filme se transforma num eterno retorno dos acontecimentos. O homem tenta encontrar a ex-namorada. A mulher se relaciona com outros homens. Os conflitos, contudo, partem de uma peculiaridade: A mulher diz não conhecer todos os homens que dizem a conhecer, relacionando-se com estes.

Você e os Seus
Kim Ju-Hyuck e You-young Lee

As conversas que aparentemente não levam a narrativa a lugar algum trazem a sensação de rotina, naturalidade, e apontam para os acontecimentos seguintes. Apesar de parecer parado – devido a pouca movimentação de câmera e corte – o movimento está sempre presente na dinâmica dos acontecimentos. Assim, proveniente da técnica aqui proposta, o diretor vem demonstrando o que já vinha sendo estabelecido nos seus filmes anteriores: um novo modelo de atuação, diferente do realismo, mas natural, com simplicidade de gestos não marcados (os olhos franzidos da personagem de You-young Lee ao negar conhecer os homens são simplesmente incríveis). O elenco está fantástico, mas a atriz rouba a cena em seus pequenos gestos.

A montagem de Você e os Seus propõe quebras de expectativas a todo instante proporcionadas pelo desejo de seus personagens, em especial do namorado desiludido. Contudo, são nos arquétipos que o longa-metragem se mantém. Como uma Persona – máscara do teatro grego – a mulher reveste-se por uma máscara que, ao modo que esconde parte do seu ser, revela outro, criando cenas naturalmente hilárias. Todo homem que a moça encontra nega conhece-lo, vestindo uma persona que a permitiria se relacionar com uma pessoa completamente diferente, ao passo que poderia ser outra pessoa para aquele com quem se relaciona.

Você e os Seus é um filme naturalmente hilário, cotidianamente surreal e incrivelmente fantástico. Hong Sang-soo vem mostrando regularidade, depois de lançar seu melhor filme – Certo Agora, Errado Antes – o desafio pessoal era grande. Sang-soo se firma definitivamente no cenário independente.

★★★★★

 

Cobertura do Festival do Rio 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *