10 Filmes sobre o pensamento de Heráclito

Por Philippe Leão

 

Twitter: @Cineplotoficial
Instagram: @Cineplotoficial
Facebook: www.facebook.com/cineplot

É importante, mesmo que já esteja implícito, que se diga: Os realizadores dos filmes não necessariamente leram o autor em questão, mas neles é possível perceber seus pensamentos.

A natureza do universo reside na mudança. A arkhe de Heráclito é um fluxo cotínuo. Por mais que vejamos a chama da vela como uma, sua mudança se da a cada instante que consome o pavil.

“Ninguém entra no mesmo rio duas vezes” ao entrar novamente, o rio já não é, modificado que foi pelo fluxo das águas, e o que entra também não o é, modificado pelo primeiro contato. É fácil, dessa forma, perceber que Heráclito é de suma importância para o pensamento de Spinoza e sua teoria dos afetos. A medida que nos encontramos com o mundo nos modificamos, estamos em constante mudança. As águas do rio de Heráclito é uma grande metáfora ao nosso universo.

O que provoca a mudança segundo Heráclito?

Segundo o filosofo se justifica a partir da tensão de elementos opostos. Os opostos, a medida que estão em conflito, são complementares. Não saberiamos o que é a felicidade se não houvesse a tristeza, a vida se não fosse a morte, o quente se não fosse o frio. Uma vida sem a complementação dos opostos não apresenta mudanças e, por isso, não existe. A ideia de uma felicidade que não finda, não se modifica, é falsa. Um oposto só ganha sentido com o outro. Da tensão dos opostos nasce a energia que move a realidade.

Heráclito, portanto, pode se considerar um monista dialético (considerado, também, um dinamista). Apesar de sua filosofia estar pautada na tensão dos opostos, o fim desta dualidade esta no equilíbrio destes em um. Exemplo clássico – mais antigo que o próprio filosofo – vem do Taoísmo e o famoso Yin Yang: O peixe branco de olhos pretos persegue o preto de olhos brancos, os opostos se entrelaçam em um, harmonizam-se. Assim, nesse ciclo, o frio em seu extremo torna-se calor, e o quente em seu extremo torna-se gelado.

Essa relação de complementaridade implica em um equilíbrio dinâmico, cíclico, que move o universo, entrega-lhe sentido.

 

Primavera, Verão, Outono, Inverno e Primavera

Primavera, Verão, Outono ...

Direção: Kim Ki Duk
País: Coreia do Sul
Ano: 2001
Nome Original: Bom Yeoreum Gaeul Gyeoul Geurigo Bom

Ninguém é indiferente ao poder das quatro estações e de seu ciclo anual de nascimento, crescimento e declínio. Nem mesmo os dois monges que compartilham a solidão, em um lago rodeado por montanhas. Assim como as estações, cada aspecto de suas vidas é introduzido com uma intensidade que conduz ambos a uma grande espiritualidade e a tragédia. Eles também estão impossibilitados de escapar da roda da vida, dos desejos, sofrimentos e paixões que cercam cada um de nós. Sobre os olhos atentos do velho monge vemos a experiência da perda da inocência do jovem monge, o despertar para o amor quando uma mulher entra em sua vida, o poder letal do ciúme e da obsessão, o preço do perdão, o esclarecimento das experiências. Assim como as estações vão continuar mudando até o final dos tempos, na indecisão entre o agora e o eterno, a solidão será sempre uma casa para o espírito.

 

A Longa Caminhada

A Longa Caminhada

Direção: Nicolas Roeg
País: Austrália
Ano: 1971
Nome Original: Walkabout

Duas crianças são abandonadas pelo pai louco que, pouco antes de se suicidar, tenta matá-las em meio a uma região desabitada do deserto australiano. À mercê do destino e com poucos recursos para sobrevivência, o garoto e a menina passam a ser auxiliados por um aborígene, que vive sozinho pelo deserto para cumprir um ritual de sua tribo.

 

O Abraço da Serpente

O Abraço da Serpente

Direção: Ciro Guerra
País: Colombia
Ano: 2015
Nome Original: El Abrazo de la Serpiente

abraco-da-serpente

Karamakate, outrora um poderoso xamã da Amazônia, é o último sobrevivente de seu povo, e agora vive em isolamento voluntário nas profundezas da selva. Os anos de solidão absoluta o tornam vazio, privado de emoções e memórias. Sua vida sofre uma reviravolta quando chega ao seu esconderijo remoto Evan, um etnobotânico americano em busca da Yakruna, uma poderosa planta capaz de ensinar a sonhar.
O xamã decide acompanhar o estrangeiro em sua busca, e juntos embarcam em uma viagem ao coração da selva, onde passado, presente e futuro se confundem, fazendo-o aos poucos recuperar suas memórias. Essas lembranças trazem uma dor profunda que não libertará Karamakate até que ele transmita o conhecimento ancestral que antes parecia destinado a perder-se para sempre.

 

A Igualdade é Branca

A Igualdade é Branca

Direção: Krzysztof Kieslowski
País: Polônia; França
Ano: 1994
Nome Original: Trois Couleurs: Blanc

Segundo episódio da série do diretor polonês Kieslowski, dedicada aos ideais da Revolução Francesa (liberdade, igualdade e fraternidade), e o único da trilogia tratado de forma humorística. Dessa vez, o filme apresenta um olhar irônico sobre como o vazio da vida pode ser profundamente afetado pelo amor. A esposa de Karol (Zbigniew Zamachowski) pede o divórcio e o trata com crueldade, pois ele está impotente. Sem dinheiro e sem ninguém, Karol, que é imigrante na França, retorna à Polônia. Aos poucos ele vai ganhando dinheiro e planeja uma doce vingança.

 

My Sassy Girl

My Sassy Girl

Direção: Jae Young Kwak
País: Coreia do Sul
Ano: 2001
Nome Original: Yeopgijeogin Geunyeo

Kyun-woo, o narrador, volta ao lugar onde, há dois anos, foi enterrada uma “cápsula do tempo”. Ele combinou se encontrar ali com “Ela”. No metropolitano, dois anos antes, ao fim do dia, o jovem estudante universitário se cruza com uma jovem num estado de embriaguez lamentável. As circunstâncias vão levar a que passem muito tempo juntos, apesar da personalidade dominadora e abusiva dela, tornando-se “uma espécie de” namorados. A início, Kyong-woo, quer apenas ajudá-la a curar a mágoa que julga ver nela, libertando-a das memórias de um passado doloroso, mas a relação entre os dois parece fortalecer-se gradualmente.

 

Céu e Inferno

Ceu e Inferno

Direção: Akira Kurosawa
País: Japão
Ano: 1963
Nome Original: Yeopgijeogin Geunyeo

Perto de resolver uma situação crítica em sua empresa, para a qual reservou uma grande quantia em dinheiro, o executivo de uma fábrica de sapatos descobre que seu filho foi raptado. O valor do resgate pedido pelos seqüestradores se aproxima do dinheiro que tem em mãos para o seu negócio. Porém, quando resolve salvar a vida do filho, ele tem uma surpresa.

 

Aurora

Aurora

Direção: F.W. Murnau
País: EUA
Ano: 1927
Nome Original: Sunrise

Seduzido por uma moça da cidade, um fazendeiro tenta afogar sua mulher, mas desiste no último momento. Esta foge para a cidade, mas ele a segue para provar o seu amor. Vencedor de 3 Oscar, incluindo melhor atriz para Janet Gaynor (Nasce uma Estrela), Aurora é uma obra poética de grande beleza plástica, repleta de cenas inesquecíveis.

 

Casa Vazia

Casa Vazia

Direção: Kim Ki Duk
País: Coreia do Sul
Ano: 2004
Nome Original: Bin Jip

Um jovem vagabundo invade a casa de estranhos e mora nelas enquanto os donos estão fora. Para pagar a estadia ele realiza pequenos consertos ou faz limpeza na casa. Ele costuma ficar um ou dois dias em cada lugar, trocando de casa constantemente. Até que um dia encontra uma bela mulher em uma mansão, que assim como ele também está tentando escapar da vida que leva.

 

A Pele de Vênus

A Pele de Vênus

Direção:
País: França
Ano: 2013
Nome Original: La Vénus à la Fourrure

– Confira a crítica de A Pele de Vênus –

Adaptação para o cinema da peça teatral homônima, que apresenta a história de Thomas, um jovem dramaturgo que se desespera para encontrar uma atriz principal para sua nova peça. Uma jovem atriz chamada Vanda atende o chamado no último momento e logo os dois se envolvem em uma relação de dominação e submissão.

 

Dogville

dogville

Direção: Lars Von Trier
País: Dinamarca
Ano: 2003
Nome Original: Dogville

Anos 30, Dogville, um lugarejo nas Montanhas Rochosas. Grace (Nicole Kidman), uma bela desconhecida, aparece no lugar ao tentar fugir de gângsters. Com o apoio de Tom Edison (Paul Bettany), o auto-designado porta-voz da pequena comunidade, Grace é escondida pela pequena cidade e, em troca, trabalhará para eles. Fica acertado que após duas semanas ocorrerá uma votação para decidir se ela fica. Após este “período de testes” Grace é aprovada por unanimidade, mas quando a procura por ela se intensifica os moradores exigem algo mais em troca do risco de escondê-la. É quando ela descobre de modo duro que nesta cidade a bondade é algo bem relativo, pois Dogville começa a mostrar seus dentes. No entanto Grace carrega um segredo, que pode ser muito perigoso para a cidade.

3 comentários em “10 Filmes sobre o pensamento de Heráclito

  • 3 de outubro de 2016 em 17:51
    Permalink

    Muito bom. Conhecimento de teorias.

    Resposta
  • 5 de dezembro de 2016 em 00:34
    Permalink

    philippe, muito obrigado pelas listas filosóficas. estou assistindo a filmes muito bons que não conhecia.

    dicas de listas: o apolíneo e o dionísico em nietzsche e o pensamento dos estoicos.

    grande abraço!!

    Resposta
    • 5 de dezembro de 2016 em 01:40
      Permalink

      Obrigado Henrique!! Fico muito feliz!

      Apolíneo e Dionísico já estamos preparando. Os Estoicos, a partir de agora, na nossa lista para preparar!! 🙂

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *