12 Filmes de Toshirô Mifune que Você Precisa Assistir

Por Philippe Torres
Conhecido por suas parcerias com Akira Kurosawa, Toshiro Mifune foi o maior astro do cinema nipônico, conhecido por seus papéis onde representava icônicos samurais. Não é atoa, a técnica de atuação do ator é extremamente condizente com uma linguagem do teatro Nô japonês. Mifune atingiu durante sua carreira a incrível marca de 130 filmes, sendo premiado em 60 deles.
 
– Os Sete Samurais
 
Direção: Akira Kurosawa
Durante o Japão feudal do século XVI, um velho samurai chamado Kambei (Takashi Shimura) é contratado para defender uma aldeia indefesa que é constantemente saqueada por bandidos. Contando com a ajuda de outros seis samurais, Kambei treina os moradores para resistirem à um novo ataque, que deve acontecer muito em breve.
 
– Rebelião
 
Direção: Masaki Kobayashi
Mãe do único filho vivo do senhor de um clã do Japão feudal, Ichi é raptada e separada de seu marido Yogoro por esse senhor. Então, Yogoro e seu pai, o samurai Isaburo, entram em conflito com o raptor e seus homens para ter Ichi de volta.
 
– Rashomon
 
Direção: Akira Kurosawa
O filme descreve um estupro e assassinato através dos relatos amplamente divergentes de quatro testemunhas, incluindo o próprio criminoso e, através de um médium (Fumiko Honma), a própria vítima. A história se desvela em flashbacks conforme os quatro personagens — o próprio bandido (Toshiro Mifune), o samurai assassinado Kanazawa-no-Takehiro (Masayuki Mori), sua esposa Masago (Machiko Kyō) e o lenhador sem nome (Takashi Shimura) — recontam os eventos de uma tarde em um bosque. Mas é também um flashback dentro de um flashback, porque os relatos das testemunhas são recontados por um lenhador e um sacerdote (Minoru Chiaki) para um grosseiro plebeu (Kichijiro Ueda) enquanto eles esperam por uma tempestade em uma portaria arruinada.
 
– O Samurai Dominante
 
Direção: Hiroshi Inagaki
Ao lado do amigo Matahachi, o jovem órfão Takezo deixa seu vilarejo para se juntar ao exército e enfrentar uma batalha. Vendo-se perdedores, os dois procuram abrigo numa casa isolada onde vive a viúva Oko e sua filha Akemi. Oko acaba seduzindo Matahachi, que cai na tentação da mulher e se esquece de seu noivado com Otsu. Logo Oko, Matahachi e Akemi partem para viver em outro local, enquanto Takezo resolve voltar ao seu vilarejo. Lá ele narra os acontecimentos à família de Matahachi, que além de não aceitar os fatos ainda condena o jovem Takezo por traição. Ele será salvo da morte por um monge que irá ensinar ao rapaz o código dos samurais. O destino acaba colocando Otsu e Takezo no mesmo caminho. Apaixonada, ela promete a ele que irá esperar seu retorno como um cavaleiro errante.
 
– Trono Manchado de Sangue
 
Direção: Akira Kurosawa
No Japão do século XVI, os samurais Washizu e Miki encontram uma feiticeira na volta para casa depois de vencerem uma batalha. Ela prevê que Washizu será o Senhor do Castelo do Norte. Esse é o início de uma sangrenta luta pelo poder. Adaptação da peça “Macbeth”, de Shakespeare.
 
– O Inferno no Pacífico
 
Direção: John Boorman
A Segunda Guerra Mundial atravessa momentos decisivos. Numa pequena ilha do Pacífico, um oficial da Marinha japonesa e um fuzileiro norte-americano travam uma batalha particular. Sozinhos na ilha e separados pela guerra que assola o mundo, os dois lutam pela sobrevivência. Sob a direção segura de John Boorman (diretor de Excalibur), Lee Marvin e Toshiro Mifune interpretam um dos melhores papéis de suas carreiras
 
– Yojimbo
 
Direção: Akira Kurosawa
No Japão do século XIX, Sanjuro (Toshirô Mifune), um samurai errante, entra em uma pequena cidade rural. Ao descobrir pelo estalajadeiro que a cidade é dividida em duas gangues, Sanjoro coloca os dois lados em confronto, mas quando Unosuke (Tatsuya Nakadai), filho de um dos bandidos, chega à cidade com um revólver os esforços de Sanjuro ficam difíceis e ele sai da cidade. Porém, ao descobrir que Unosuke sequestrou o estalajadeiro, o samurai retorna a cidade para confrontá-lo.
 
– A Espada da Maldição
 
Direção: Kihachi Okamoto
Sem compaixão e em busca de sua glória pessoal, um samurai vaga pelas aldeias espalhando morte, sangue e desprezo, até que é desafiado por um guerreiro tão hábil quanto ele.
 
– Céu e Inferno
 
Direção: Akira Kurosawa
Perto de resolver uma situação crítica em sua empresa, para a qual reservou uma grande quantia em dinheiro, o executivo de uma fábrica de sapatos descobre que seu filho foi raptado. O valor do resgate pedido pelos seqüestradores se aproxima do dinheiro que tem em mãos para o seu negócio. Porém, quando resolve salvar a vida do filho, ele tem uma surpresa.
 
– Samurai Assassino
 
 
Direção: Kihachi Okamoto
Nos últimos dias do xogunato Tokugawa, um ronin ambicioso se envolve em um plano para matar o premier li Naosuke, favorável à abertura do Japão aos estrangeiros. Destaque para a antológica batalha final.
 
– Homem Mau Dorme Bem
 
Direção: Akira Kurosawa
Uma história que remete ao “Hamlet” de Shakespeare.
No Japão do pós-guerra, um jovem tenta se utilizar de sua posição no coração de uma empresa corrupta para expor os homens responsáveis pela morte de seu pai. No dia de seu casamento, vários rumores e comentários circulam entre os presentes, que cinco anos antes, o pai de Nishi morreu após cair de uma janela do andar do edifício da empresa. Muitos duvidam de um suicídio. Nishi tentará investigar sobre um possível assassinato de seu pai.
 
– O Barba Ruiva
 
Direção: Akira Kurosawa
A história se passa em um hospital de caridade, na cidade de Edo (atualmente Tóquio), no Japão do século XIX.
Um médico jovem e arrogante e um piedoso professor têm um tumultuado relacionamento na clínica em que trabalham. O professor, que é diretor da clínica, tenta ensinar a seu amargurado médico residente a respeitar e apreciar as vidas de seus pacientes desamparados.
Confira a análise em vídeo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *