20 Filmes Dirigidos por Mulheres que Você Precisa Assistir

Por Philippe Leão
 
A representação feminina no Cinema, de fato, tem crescido nos últimos anos. A participação dos movimentos sociais interferindo no modo como a arte atua tem sido importante para tal modificação. Em torno das narrativas, as histórias começam a contar mais a história delas (mesmo que as personagens femininas ainda sejam menos significativas), mesmo que haja uma subversão oposta para demonstrar o combate. Não há problemas em homens criarem e desenvolverem narrativas de personagens femininas, mas a condução das mulheres frente a arte – apesar de crescer – é irrisória e se as premiações não as premiam é porque, além do seu machismo, não podem premiar um filme que não existe (ou sofre com uma disparidade enorme em termos quantitativos). O Cineplot traz uma lista de filmes dirigidos por mulheres que você precisa assistir.
Confira outras listas destinadas às mulheres:
  • Elena
 
Direção: Petra Costa
País: Brasil
Elena viaja para Nova York com o mesmo sonho da mãe: ser atriz de cinema. Deixa para trás uma infância passada na clandestinidade dos anos de ditadura militar. Deixa Petra, a irmã de sete anos. Duas décadas mais tarde, Petra também se torna atriz e embarca para Nova York em busca de Elena. Tem apenas pistas. Filmes caseiros, recortes de jornal, um diário. Cartas. A todo momento Petra espera encontrar Elena caminhando pelas ruas com uma blusa de seda. Pega o trem que Elena pegou, bate na porta de seus amigos, percorre seus caminhos. E acaba descobrindo Elena em um lugar inesperado. Aos poucos, os traços das duas irmãs se confundem, já não se sabe quem é uma, quem é a outra. A mãe pressente. Petra decifra. Agora que finalmente encontrou Elena, Petra precisa deixá-la partir.
  • O Piano
 
Direção: Jane Campion
País: Austrália
Em meados do século XIX, Ada é uma mulher muda que tem uma filha – Flora. Para um casamento arranjado ela deixa sua terra natal, a Escócia, acompanhada de sua filha e seu amado piano. A vida nas florestas densas de uma ilha ao sul da Nova Zelândia e o relacionamento com seu marido Stewart não são o que ela esperava. Quando Stewart vende o piano para seu vizinho, George, Ada sofre muito. George diz pode lhe devolver o piano se ela o ensinar a tocar. A princípio Ada ignora George, mas lentamente o relacionamento deles se transforma, levando-os a uma situação perigosa.
  • A Culpa é do Fidel
 
Direção: Julie Gavras
País: França
Anna de la Mesa (Nina Kervel-Bey) tem 9 anos, mora em Paris e leva uma vida regrada e tranqüila, dividida entre a  escola católica e o entorno familiar. O ano é 1970 e a prisão e morte do seu tio espanhol, um comunista convicto, balança a família. Ao voltar de uma viagem ao Chile, logo após a eleição de Salvador Allende, os pais de Anna estão diferentes e a vida familiar muda por completo: engajamento político, mudança para um apartamento menor, trocas constantes de babás, visitas inesperadas de amigos estranhos e barbudos. Assustada com essa nova realidade, Anna resiste à sua maneira. Aos poucos, porém, realiza uma nova compreensão do mundo.
  • GRAVE
 Grave

Direção: Julia Ducournau
País: Bélgica; França
Nome original: Grave (Raw)

Confira a crítica de Grave aqui!

Na família de Justine (Garance Marillier), todos os integrantes trabalham com a área veterinária e são vegetarianos. No entanto, assim que Justine pisa na escola de veterinária, ela acaba comendo carne. As consequência deste ano logo serão sentidas e chocarão toda a família.

  • As Pequenas Margaridas
 
Direção: Vera Chytilová
País: Tchecoslováquia
Utilizando-se de avançados efeitos especiais para a época, Vera Chytilová dirigiu esta obra surrealista que conta a história de duas garotas chamadas Marie, que decidem se adequar ao mundo como ele está: sendo depravadas. Portanto, ambas partem para uma série de encontros forjados e travessuras, desconstruindo o mundo ao seu redor.
  • Olympia – Parte II
 
Direção: Leni Riefenstahl
País: Alemanha
Leni Riefenstahl faz do seu documentário sobre os Jogos de Berlim uma celebração ao corpo humano, combinando a poesia de corpos em movimento com close-up de atletas no calor de competição. No volume 2, os destaques são Glen Morris, vecedor do Pentatlo e do Decatlo e o triunfal encerramento dos jogos.
  • Jeanne Dielman
 
Direção: Chantal Akerman
País: Bélgica
Considerado como a obra-prima de Akerman, traz a atriz Delphine Seyrig no papel de Jeanne Dielman, uma jovem viúva que vive com seu filho Sylvain seguindo uma ordem imutável: à tarde, enquanto seu filho está na escola, ela cuida do apartamento e recebe os clientes.
  • Encontros e Desencontros
 
Direção: Sofia Coppola
País: EUA
Bob Harris e Charlotte, são dois americanos em Tóquio. Bob, é um decadente astro de cinema que está na cidade para filmar um comercial de uísque. E a bela Charlotte, acompanha o marido, John, um fotógrafo viciado em trabalho. Ambos estão no mesmo hotel, e não se conhecem. Dividem apenas o tédio das horas que custam a passar. Bob, passa quase todo o seu tempo livre no bar do hotel. Enquanto Charlotte, fica horas olhando pela janela de seu apartamento. Até que um dia ele se conhecem e um novo mundo se descortina para ambos. De repente parece mais colorida, mais agitada e mais atraente. E aquelas duas vidas, antes tomadas pelo aborrecimento, ganham novas perspectivas. Nasce entre Bob e Charlotte, uma amizade mágica, uma cumplicidade raramente vista, uma nova forma de ver a cidade e a vida.
  • O Sonho de Wadjda
 
Direção: Haifaa Al-Mansour
País: Arábia Saudita
Wadjda tem dez anos de idade, e mora no subúrbio de Riade, a capital da Arábia Saudita. Ela é uma garota teimosa e cheia de vida, que gosta de brincar com os garotos. Um dia, após uma disputa com o amigo Abdullah, ela vê uma bela bicicleta verde à venda. Wadjda gostaria de comprar a bicicleta, para superar o colega em uma corrida, mas na sociedade conservadora onde vivem, garotas não podem dirigir carros ou bicicletas. Ela decide então fazer de tudo para conseguir o dinheiro sozinha.
  • Sem Teto nem Lei
 
Direção: Agnés Varda
País: França
Uma jovem andarilha morre congelada no frio do inverno francês. Sua história e principalmente seus últimos dias são contados através das pessoas que cruzaram o seu caminho.
  • Salaam Bombay!
 
Direção: Mira Nair
País: India
A história de Krishna, Manju, Chillum e outras muitas crianças, pelas ruas de Bombaim, na Índia. Algumas vezes, elas até conseguem um trabalho temporário vendendo chá, mas na maior parte do tempo elas têm de pedir dinheiro para sobreviver e ainda tentar ficar bem longe dos problemas com a polícia.
  • E Buda Desabou de Vergonha
 
Direção: Hana Makhmalbaf
País: Irã
Baktay tem seis anos e vive com sua família em Bamian, cidade em que tesouros da cultura local, como as estátuas de Buda, foram destruídas pelos talibãs. Instigada por seus vizinhos que já sabem ler, ela faz de tudo para poder estudar em uma escola para meninas que abre do outro lado do rio. Quando segue para a escola, no caminho encontra um grupo de garotos acostumados a brincadeiras de guerra, que resolvem prendê-la como
  • Cléo das 5 as 7
 
Direção: Agnes Varda
País: França
Agnès Varda, uma visionária da “new wave” francesa, capturou a atmosfera de Paris dos anos 60, mostrando os questionamentos de uma mulher solteira enquanto espera o resultado de uma biopsia. Uma crônica de duas horas cruciais na vida de uma mulher. Cléo das 5 as 7, mostra uma mistura profunda de realidade com sofrimento. 
Com trilha sonora de Michel Legrand (Guarda-chuvas de Cherbourg), uma obra prima fantástica que inspirou Legrand, Jean-Luc Godard e Anna Karina
  • Polissia
 
Direção: Maïwenn
País: França
O filme mostra a vida dos policiais da Brigada de Protecção de Menores, que devem lidar diariamente com assuntos sérios, como fome e pedofilia. Além de cuidar desses assuntos terão de lidar com Melissa, jornalista enviada pelo Ministério do Interior para realizar um livro de fotos sobre seu trabalho.
  • E Agora, aonde vamos?
 
Direção: Nadine Labaki
País: Egito; Libano
Numa vila do Líbano isolada por minas terrestres, mulheres muçulmanas e cristãs se unem para proteger suas famílias da violência e do sofrimento. Elas inventam todo tipo de estratégia para impedir que seus maridos se enfrentem e gerem mais mortos num lugar marcado pela guerra. Para distrair os homens, elas vão desafiar tabus, chamando um grupo de dançarinas ucranianas para visitar o lugar e servindo biscoitos com maconha numa festa. Mas quando uma morte trágica acontece, elas serão obrigadas a adotar uma tática bem mais radical.
  • Precisamos Falar sobre Kevin
 
Direção: Lynne Ramsay
País: Reino Unido
Eva (Tilda Swinton) mora sozinha e teve sua casa e carro pintados de vermelho. Maltratada nas ruas, ela tenta recomeçar a vida. O motivo disso vem de seu passado, quando vivia com seu marido Franklin (John C. Reilly) e seus dois filhos: Kevin (Jasper Newell/Ezra Miller) e Celia (Ashley Gerasimovich). Seu relacionamento com o primogênito, Kevin, sempre foi complicado, mas Eva jamais imaginaria o que ele seria capaz de fazer.
  • Fruto do Paraíso
 
Direção: Vera Chytilová
País: Tchecoslováquia
Uma alegoria do conto de Adão e Eva de uma forma jamais imaginada, com cores pulsantes, lisergia e cinema novo, fresco.
  • Tomboy
 
Direção: Céline Sciamma
País: França
“Tomboy” é a denominação dada para meninas que gostam de agir como meninos.
No filme da diretora Céline Sciamma (Lírios D’Água), Laure é uma menina de dez anos, que muda de casa constantemente, em decorrência do trabalho do pai.
Ao ir para uma nova residência ainda nas férias, ela faz amizade com uma grande turma de garotos da vizinhança, mas se apresenta como Mikael.

Isso faz com que ela se aproxime de Lisa, a única menina do grupo. Não demora até que Lisa caia em amores por Mikael, mas as férias estão para acabar e Laure não sabe como fará para manter seu segredo.

  • Que Horas Ela Volta?
 

 

Direção: Anna Muylaert

País: Brasil

A pernambucana Val se mudou para São Paulo a fim de dar melhores condições de vida para sua filha Jéssica. Com muito receio, ela deixou a menina no interior de Pernambuco para ser babá de Fabinho, morando integralmente na casa de seus patrões. Treze anos depois, quando o menino vai prestar vestibular, Jéssica lhe telefona, pedindo ajuda para ir à São Paulo, no intuito de prestar a mesma prova. Os chefes de Val recebem a menina de braços abertos, só que quando ela deixa de seguir certo protocolo, circulando livremente, como não deveria, a situação se complica.

 

  • The Babadook
 

 

Direção: Jennifer Kent

País: Austrália

Uma mãe solteira, atormentada pela morte violenta do marido, batalha com o medo de seu filho de um monstro estar se espreitando pela casa, mas logo descobre a presença sinistra ao seu redor.

6 thoughts on “20 Filmes Dirigidos por Mulheres que Você Precisa Assistir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *