10 Filmes sobre o Amor que Você Precisa Assistir

Por: Philippe TorresO Cineplot preparou mais uma lista para vocês e, dessa vez, chega aqui o Amor. Mas calma, deixemos bem claro que não se trata de uma lista de histórias DE amor, mas sim SOBRE ele o que, obviamente, modifica completamente a percepção.

 


– Não Amarás

 

Direção: Krzysztof Kieslowski
País: Polônia
Ano: 1988


Sinopse:
Jovem de 19 anos munido de uma luneta começa a observar a vida da sua vizinha (uma mulher madura), que mora defronte ao seu apartamento. Ele fica obcecado por ela e enquanto observa sua vida sexual (na qual o amor não existe), ele esquematiza subterfúgios para se aproximar dela. Com o tempo ele revela seu amor, mas ela o humilha e algo surpreendente acontece nesta relação.


Porque Assistir:
Inocência e descoberta do amor. Perverso, erótico e verdadeiro. Uma aula de simbolismo e narrativa.


– Amour

Direção: Michael Haneke
País: França
Ano: 2012

Estrelado por dois ícones do cinema francês – Emmanuelle Riva, 85 anos, e Jean-Louis Trintignant, 81, “Amour” trata da relação de um casal de idosos que tem de lidar com a proximidade da morte.


Porque assistir:
Muitos não enxergam o amor aqui presente por assistir apenas a superfície dos significados do filme. Assista, perceba, leia sobre. A atuação de Emmanuelle Riva é um espetáculo a parte, derrotada em uma das mais injustas premiações da história, que concedeu o prêmio a Jennifer Lawrence por O Lado Bom da Vida





– Asas do Desejo

Direção: Wim Wenders
País: Alemanha
Ano: 1987

Na Berlim pós-guerra, dois anjos perabulam pela cidade. Invisíveis aos mortais, eles lêem seus pensamentos e tentam confortar a solidão e a depressão das almas que encontram. Entretanto, um dos anjos, ao se apaixonar por uma trapezista, deseja se tornar um humano para experimentar as alegrias de cada dia.


Porque assistir:
Uma história de amor onírica de um anjo apaixonando-se por uma terrestre. A fotografia ganha grande destaque em uma Berlim pós-guerra.







– Aurora



Direção: F.W Murnau
País: E.U.A
Ano: 1927

Seduzido por uma moça da cidade, um fazendeiro tenta afogar sua mulher, mas desiste no último momento. Esta foge para a cidade, mas ele a segue para provar o seu amor. Vencedor de 3 Oscar, incluindo melhor atriz para Janet Gaynor (Nasce uma Estrela), Aurora é uma obra poética de grande beleza plástica, repleta de cenas inesquecíveis.

Porque assistir:
Do renomado diretor alemão F.W. Murnau. Aurora é conhecido como um dos melhores filmes da história. Irreverente, já em 1927 a película traz a história de amor de um homem que tenta assassinar a mulher pra fugir com a amante.







– Time

Direção: Kim Ki Duk
Ano: 2006
País: Coreia do Sul

Seh-Hee (Park Ji-Yeon) e Ji-Woo (Ha Jung-Woo) são namorados de longa data. Eles estão apaixonados, mas Seh-Hee tem uma crise de ciúmes quando seu namorado se sente atraído por outra mulher. Ela está convencida de que Ji-Woo perderá o interesse no relacionamento à medida que o tempo for passando. Para prevenir o rompimento, Seh-Hee decide passar secretamente por uma cirurgia plástica, de modo que ela se torne uma ?nova mulher? para o namorado. Certo dia ela desaparece do mapa, deixando Ji-Woo magoado. Com o tempo, porém, ele vai se esquecendo de Seh-Hee e termina por se apaixonar por uma mulher misteriosa, que guarda um segredo que mudará suas vidas.

Porque assistir:
Uma história sobre a obsessão e ciúmes, essa é a superfície. Contudo, traz os problemas de uma sociedade que busca uma perfeição inexistente através de cirurgias, tentando assim alterar o inalteravel, o ser.


– O Clã das Adagas Voadoras

 

Direção: Zhang Yimou
País: China
Ano: 2005No ano de 859 a China passa por terríveis conflitos. A dinastia Tang, antes próspera, está decadente. Corrupto, o governo é incapaz de lutar contra os grupos rebeldes que se insurgem. O mais poderoso e prestigiado deles é o Clã dos Punhais Voadores. Leo e Jin, dois soldados do exército oficial, recebem a missão de capturar o misterioso líder dos Punhais Voadores e para tanto elaboram um plano: Jin, se disfarça como um combatente solitário, ganha a confiança da bela revolucionária cega Mei, e, assim, infiltra-se no grupo, mas a dupla não contava com a paixão que Mei, despertaria nos dois.

Porque assistir:
Direção de arte em completa sintonia com a fotografia, somada com lindas coreografias de lutas transformam o filme em um dos mais visualmente deslumbrantes do século XXI.



– O Homem das Novidades



Direção: Buster Keaton
País: E.U.A
Ano: 1928

Luke Shannon (Buster Keaton) é um fotógrafo de retratos que se apaixona por Sally (Marceline Day), uma bela mulher que trabalha como secretária na MGM. O maior rival de Luke na disputa pelo coreção da moça é um câmera da companhia. Dessa forma, Luke decide arrumar um emprego na MGM para impressiona-la. Luke comete uma série de erros em sua função como câmera, já que não tem experiência alguma.

Porque assistir:
Buster Keaton, o palhaço que não ri. Você precisa assistir esse grande mestre da comédia dos anos 20 e, O Homem das Novidades é um dos seus filmes mais aclamados.





– Annie Hall



Direção: Woody Allen
País: E.U.A
Ano: 1977

Alvy Singer (Woody Allen), um humorista judeu e divorciado que faz análise há quinze anos, acaba se apaixonando por Annie Hall (Diane Keaton), uma cantora em início de carreira com uma cabeça um pouco complicada. Em um curto espaço de tempo eles estão morando juntos, mas depois de um certo período crises conjugais começam a se fazer sentir entre os dois.



Porque assistir:
Um dos mais lembrados filmes da carreira de Woody Allen. Uma viagem na vida do personagem contado a partir de flashbacks muito bem utilizados. Parece ser um desabafo psicanalítico de Allen, sobre sua própria vida.







– Jules & Jim



Direção: François Truffaut
País: França
Ano: 1962

Na virada para o século XX, Jules e Jim são dois amigos que se apaixonam pela mesma mulher, Catherine, que acaba casando com Jules. Depois da Primeira Guerra Mundial, quando eles se reencontram na Alemanha, Catherine começa a amar Jim.



Porque assistir:
O amor não tem fronteiras e pode ser concedido a três. Do diretor consagrado na Nouvelle Vague francesa, François Truffaut, Jules & Jim é considerado por muitos seu melhor filme.







– Pai e Filha

Direção: Yasujiro Ozu
País: Japão
Ano: 1949

Noriko é uma jovem que dedica sua vida a cuidar de seu pai, o viúvo Somiya. Mas Somiya e sua irmã fazem Noriko achar que ele vai se casar novamente, e assim ela aceita conhecer um pretendente a marido. Apesar de gostar de seu pretendente, se ressente por seu pai estar casando novamente, no que é aconselhada por ele a buscar sua própria felicidade.

Porque assistir:
Uma história de amor, contada através da mais bela sensibilidade de Yasujiro Ozu. Mas não trata-se do amor convencional de um casal. Trata-se do amor do pai com a filha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *